A Absorção das Proteínas


Na absorção parece haver interferência de alguns ácidos aminados com outros, especialmente quando um ácido aminado está presente em quantidade excessiva para a sua absorção imediata, que levaria a retardar a absorção de outros.
Nas condições normais, as proteínas dos alimentos são quase completamente digeridas, dependendo o coeficiente de digestão da natureza das proteínas e da quantidade de fibra da dieta, principalmente.

Os produtos finais da digestão são ácidos aminados, mas é possível que a hidrólise completa de alguns dipéptidos seja terminada no interior das células do intestino.A absorção dá-se no jejuno, por difusão, para as formas D, e por transporte activo, para as formas L dos isómeros naturais que são transportados para o interior das células da mucosa e destas para a serosa e vasos sanguíneos.

A vitamina B6 (fosfato de piridoxal) estaria envolvida nesta transferência, que é energia -dependente (fosforilação oxidativa) e semelhante para a absorção da glicose.

Sabe-se que as proteínas e polipéptidos são antigénicos (estimulam respostas imunológicas) só quando as suas moléculas têm dimensões relativamente grandes, superiores às dos péptidos.
No caso particular do sprue, os polipéptidos resultantes do desdobramento da proteína do trigo, chamada glúten, pela pepsina e tripsina, têm acção agressiva sobre a mucosa intestinal e, ao passarem para a circulação depois de absorvidos, são capazes de estimular a produção de anticorpos específicos, os quais se encontram com frequência no sangue destas pessoas.
Foi identificado um polipéptido de pequeno tamanho, com 6-7 ácidos aminados, contendo glutamina e prolina, que tem efeito muito activo no desencadear das perturbações indicadas. A malabsorção dos produtos da digestão de proteínas acompanha-se de sintomas gerais de sensibilização, incluindo edema e manifestações cutâneas alérgicas, e osteoporose.